Multiplicam-se os sinais de emergência do planeta Terra

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

O aquecimento global está a ocorrer de forma pior e mais rápida do que se temia. Em 2040, dez anos antes do que se estimava, poderá ser alcançado o limite de +1,5 ºC, com riscos de desastres “sem precedentes” para a humanidade. Este é o cenário negro traçado pelo relatório dos especialistas climáticos das Nações Unidas, publicado na passada segunda-feira.

A menos de três meses da cimeira do clima COP26 em Glasgow (Escócia), os especialistas climáticos das Nações Unidas — que constituem o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) — publicaram um relatório em que responsabilizam o ser humano por estas alterações.

Os meses de junho e julho e o que já vai de agosto têm sido pródigos em sinais poderosos de que o clima do planeta que é a nossa “casa comum” está em estado de emergência. O planeta já alcançou +1,1 ºC e começa a sofrer as consequências: incêndios que arrasam os Estados Unidos, a Grécia e a Turquia, dilúvios de chuva que inundam Alemanha ou China, termómetros a bater os 50 ºC no Canadá. Precisamos mudar hábitos e cuidar mais da nossa “Casa Comum”.