“ministro do acolhimento”: um novo Ministério na Igreja para tempos novos!

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Ao retomarmos as celebrações comunitárias, depois do confinamento social a que nos votámos, a fim de evitar a rápida propagação da pandemia e a dar tempo para o sistema de saúde se preparar para enfrentar esta nova doença, são agora muitos os cuidados a ter para dar segurança efectiva e confiança aos fiéis que se juntam nas igrejas para rezar.

Uma das novidades deste tempo é a constituição de um novo ministério laical: o Ministério do Acolhimento.

Na verdade ele existiu na igreja durante muitos séculos, com o nome de “ostiário” (do latim “ostiarius”, porteiro).

Os voluntários que irão constituir as equipas de acolhimento, cuja missão será auxiliar os fiéis no cumprimento das normas de protecção e higiene dentro das igrejas, depois de uma prévia formação sobre a sua missão, os cuidados a ter e as indicações a dar aos fiéis, terão as seguintes tarefas:

– estarão devidamente identificados, convenientemente protegidos com máscara e respeitando as regras de higiene;

– indicarão as portas de entrada e saída, e os percursos;

– certificar-se-ão de que os fiéis higienizam obrigatoriamente as mãos à entrada da igreja com um produto desinfectante; que cada um traz a sua própria máscara bem colocada; que não há aglomeração de pessoas quer à entrada, quer à saída, quer no interior da igreja.

– lembrarão a todos que o uso de máscara é obrigatório dentro da igreja, durante toda a celebração, e a mesma só deverá ser retirada no momento da recepção da Comunhão eucarística, sendo recolocada logo após a Comunhão.

– certificar-se-ão que o número máximo de participantes cumpre os limites estabelecidos, de acordo com a dimensão da igreja e as regras determinadas pelas autoridades.

– encaminharão os fiéis para os lugares previamente assinalados, de modo a se respeitar a distância mínima de segurança entre participantes, e que cada um tenha cerca de 4m2. Esta regra do distanciamento não se aplica às pessoas do mesmo agregado familiar ou que vivam na mesma casa.

– serão responsáveis pelo abrir e fechar das portas da igreja, e coordenarão, dentro do possível, a saída dos fiéis.

– acompanharão o arejamento e desinfecção necessários.

 

Conheça as orientações da Paróquia de Pinhel e da Unidade pastoral de Pinhel para estes tempos AQUI