Mais de metade da humanidade com restrições à Liberdade Religiosa

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Dois terços da população do mundo, num terço dos países, vivem situações de discriminação ou perseguição por causa da sua fé religiosa, e os cristãos continuam a ser o grupo mais perseguido, situação que pandemia ajudou a agravar. A situação piorou nos últimos dois anos, diz o Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo (RLRM), acabado de publicar pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) e respeitante aos anos de 2019-2020.

No mapa-mundo das violações, a mancha vermelha onde corre mais sangue, tortura, discriminação ou intolerância situa-se numa larga faixa que abrange um vasto território que vem desde o Extremo Oriente asiático (Coreia do Norte, China, países do Sudeste asiático, Índia), passa depois para o Médio Oriente (onde Israel, Palestina e Líbano são as únicas excepções, ainda que sob vigilância), continua pelo Norte de África e desce, depois, por grande parte dos países da África Central.

Europa, Américas, Austrália e Nova Zelândia são as zonas do mundo mais respeitadoras da liberdade religiosa, com algumas excepções Em dez tópicos, o relatório resume a situação: radicalização de milícias que se reivindicam religiosamente do islão e que recrutam membros através de plataformas digitais; culpabilização das minorias religiosas pela pandemia; intensificação da perseguição a crentes e violência sexual utilizada contras as minorias; tecnologias mais e mais sofisticadas de “vigilância repressiva” usadas contra vários sectores, entre os quais os grupos religiosos no topo.

A síntese do relatório e o documento completo podem ser consultados na página da AIS. Mais informações em Agência Ecclesia ou 7Margens.