FESTAS: Nossa Senhora do Carmo é honrada dias 12 e 13 em Q. Nova

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

A comunidade cristã de Q. Nova vai honrar a sua padroeira, Nossa Senhora do Carmo, nos dias 12 e 13 de agosto.

No dia 12, sexta-feira, haverá eucaristia às 21h seguida de procissão de velas.

No dia 13, sábado, haverá Eucaristia Solene às 11h, seguida de procissão.

Do programa constam, como habitualmente, outros momentos culturais.

 

NOSSA SENHORA DO CARMO

Nossa Senhora do Monte Carmelo ou Nossa Senhora do Carmo é o título dado a Maria, em honra de sua função como padroeira da Ordem dos Carmelitas, assim como testemunha o Cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”. A palavra Carmelo em hebraico: (“Carmo” significa vinha, portanto, “Vinha do Senhor”): este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, onde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que foi prefigurada pelo primeiro num pequena nuvem (cf. l Rs 18,20-45). [1]Os primeiros carmelitas eram eremitas que viviam no Monte Carmelo, na Terra Santa, entre o final do século XII e meados do século XIII. Eles construíram, no meio de seus eremitérios, uma capela que dedicaram à Santíssima Virgem.

Desde o século XII, a devoção popular a Nossa Senhora do Carmo está centrada no seu escapulário, que originalmente são dois pedaços de tecido ligados por finas fitas que o fiéis leigos carregam em seus ombros, é um resumo da devoção maior do Escapulário marrom como uma veste ´hábito’ usado por religiosos monges e monjas carmelitas, é também um sacramental associado às promessas de ajuda feitas por Maria para a salvação do devoto portador. Originalmente, o escapulário em si mesmo, significa a obediência, ou seja, o jugo suave, o fardo leve de Nosso Senhor Jesus Cristo, os monges e monjas carmelitas faziam votos de obediência, e havia nas constituições primitivas uma penalidade para quem deixasse de usar o escapulário na ordem religiosa, por que significava que não queriam mais carregar no ombros o peso da obediência o leve fardo de Nosso Senhor Jesus Cristo. A tradição da Santa Igreja afirma que, Nossa Senhora entregou o escapulário ao carmelita chamado Simão Stock.