FESTAS: festas na paróquia do Azevo em honra de Nossa Senhora da Purificação e S. Lourenço

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

A paróquia do Azevo vai estar em festa dupla esta semana de agosto, com a festa principal da paróquia e a festa em honra de S. Lourenço na comunidade anexa de Juízo.

No dia 10, quarta-feira, o Juízo honrará o seu padroeiro com a eucaristia solene às 12h00, seguida de procissão. Para além isso, estão previstos mais alguns momentos de convívio.

Nos dias 12, 13 e 14 de agosto é a vez da paróquia honrar Nossa Senhora da Purificação. Do programa religioso consta:

Dia 12, sexta-feira: eucaristia seguida de procissão de velas às 20h30.

Dia 13, sábado, dia principal da festa, eucaristia solene às 12h30, seguida de procissão.

Dia 14, domingo, haverá celebração seguida de procissão ás 12h00.

A festa tem também um vasto programa cultural.

SÃO LOURENÇO

São Lourenço, o santo espanhol, também conhecido como Lourenço de Huesta ou Valência, nasceu em 225 e morreu mártir em 258, no dia 10 de agosto, em Roma. Está entre os diáconos do início da Igreja de Roma, que eram considerados os guardiães dos bens da Igreja e dispensadores de ajuda aos pobres.  São Lourenço foi ajudante do Papa Sisto II e responsável por um centro dedicado aos pobres.

Martírio: testemunho de fé

Em 257, os cristãos começaram a ser perseguidos e mortos por ordem do imperador Valeriano I. Em 258, o Papa Sisto II foi decapitado. Conta a história que, ao caminhar para o lugar da execução, São Lourenço caminhava junto ao papa e dizia: Aonde vai sem o seu diácono, meu pai? Jamais oferecestes o sacrifício da missa, sem que eu vos acolitasse! O papa, comovido com essas palavras de dedicação filial, respondeu: Não te estou abandonando, meu filho! Deus reservou-te provação maior e vitória mais brilhante, pois és jovem e forte. Velhice e fraqueza faz com que tenham pena de mim. Em três dias me seguirás.

Depois da morte do Papa, o imperador exigiu que a Igreja lhe entregasse todos os seus bens, dentro de 3 dias. Vencido o prazo, São Lourenço apresentou os pobres que eram acudidos pela Igreja e disse ao imperador: Estes são os bens da Igreja. Valeriano, então, com muita raiva, ordenou que Lourenço fosse queimado vivo. O santo manteve a alegria no momento da execução, mostrando a sua profunda fé na vida eterna, no encontro com Jesus Cristo. Por isso, no momento mais angustiante de sua vida – aos olhos do mundo – Lourenço, feliz, dizia aos soldados: agora podem virar-me, este lado já está assado. Uma multidão acompanhava o martírio de São Lourenço. E, no meio do povo, grande foi o número dos que se converteram a jesus cristo ao verem o testemunho do jovem São Lourenço.

NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO

Origem do título

O título Nossa Senhora da Purificação tem origem no Evangelho de São Lucas 2, 22-40. No versículo 22 ele narra: “E, cumprindo-se os dias da purificação dela (de Maria), segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor.” A afirmação significa que no mesmo dia no qual Maria tinha que se purificar (passados 20 dias do parto), O Menino Jesus também foi consagrado ao Senhor. Assim, o título Nossa Senhora da Purificação nos remete ao dia em que Maria se purificou no templo.

A origem da festa de Nossa Senhora da Purificação

A festa da Purificação é uma das celebrações mais antigas da Igreja. A freira Egeria foi a primeira a escrever sobre a festa, quando fez uma peregrinação à Terra Santa entre os anos 381 e 384. Ela contou que o dia 14 de fevereiro era solene em Jerusalém, havendo uma procissão rumo à Basílica da Ressurreição, de Constantino I, e uma homilia baseada no evangelho de Lucas 2, 22.

Milagre

Um texto muito antigo narra: “Originalmente, a festa de Nossa Senhora da Purificação era uma celebração menor. Mas então, em 541, uma terrível praga irrompeu em Constantinopla matando milhares. O imperador bizantino Justiniano I, em consulta com o patriarca de Constantinopla, ordenou um período de jejum e oração por todo o Império Bizantino. E, na festa do “Encontro do Senhor”, organizou grandes procissões por todas as cidades e vilas, além de um serviço solene de orações (Litia) para pedir a libertação de todos os males e o fim da praga. Em agradecimento, em 542, a festa foi elevada para uma celebração mais solene e passou a ser celebrada por todo o império pelo imperador.” Diz também que “em Roma, a festa aparece no “Sacramentário Gelasiano”, uma coleção de manuscritos dos séculos VII e VIII associados com o papa Gelásio I, mas com muitas interpolações e algumas fraudes. É ali que aparece pela primeira vez o novo título da festa, “Purificação da Abençoada Virgem Maria”.”

Uma festa com diversos nomes

A celebração da Purificação de Maria e também da Apresentação de Jesus no Templo, que ocorre no dia 2 de fevereiro, comemora um episódio de quando Jesus ainda era criança. Na Igreja Ortodoxa e outras Igrejas Católicas do Oriente, ela é uma das doze Grandes Festas, e é também é conhecida como Hypapante (literalmente “Encontro”, em grego), Candelária, Purificação da Virgem e Encontro do Senhor.

A cerimónia de purificação

Maria realizou seu dever no Plano da Salvação, fazendo de tudo para que fosse realizada a vontade de Deus. As mulheres daquela época eram dadas como impuras depois do parto. Afastavam-se da sociedade e dos afazeres religiosos do Templo por 20 dias se dessem à luz um menino, ou 40 dias se fossem mães de menina. Passados esses dias, a mãe e a criança tinham que comparecer ao Templo para a “purificação” da mãe e a apresentação da criança ao Senhor.