COVID: dois terços das famílias viram a situação económica piorar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Em ano de pandemia, Portugal viu crescer as desigualdades sociais, sendo que dois terços dizem sentir dificuldades em enfrentar os custos do dia-a-dia, de acordo com dados do Barómetro Deco/Proteste.

Mais de um quarto dos 4000 agregados familiares inquiridos declararam ter tido perdas de rendimento igual ou superior a 25 por cento, em 2020.

Em termos nacionais, 63% afirmaram ter dificuldades financeiras para assegurar as despesas correntes e 6% estão mesmo numa situação crítica. Só 31% revelaram conseguir pagar as contas.

As situações ou factores que mais relação direta apresentam com as dificuldades são o emprego, a inactividade e a redução salarial. Por sua vez, as despesas mais difíceis de suportar foram, por ordem decrescente, as relacionadas com o carro, os tratamentos dentários, as férias de verão, a manutenção da habitação e os óculos e aparelhos auditivos.

Na paróquia têm chegado mais alguns pedidos de apoio alimentar, através da Vicentinas.