COVID: actualização de orientações para a acção eclesial e pastoral

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou novas orientações para as celebrações nas comunidades católicas, a partir da passada sexta-feira, dia 1 de outubro, prevendo o levantamento progressivo das restrições em vigor por causa da pandemia de Covid-19.

“É tempo de ir retomando uma maior participação dos fiéis, abrandando de forma ponderada os distanciamentos e os limites impostos à lotação das nossas igrejas. Entretanto, as outras medidas de proteção – higienização das mãos e uso da máscara – devem manter-se”, indicam os bispos católicos e que se pode ler no site da Conferencia Episcopal.

No mesmo documento e sobre as diversas actividades pastorais, refere: “As atividades pastorais nos espaços eclesiais (paróquias, centros pastorais, casas de retiro, etc.) como catequese e outras ações formativas, reuniões, ajuntamentos, iniciativas culturais e de restauração, entre outras, bem como peregrinações, procissões, festas, romarias, concentrações religiosas, acampamentos e outras atividades similares, seguirão as regras previstas pelas autoridades competentes para situações educativas, sociais e culturais semelhantes”.

Por seu lado, o bispo da diocese, D. Manuel Felício, actualizou esta orientações de acordo com as necessidades e contextos diocesanos, como se pode ler aqui.

Tendo em conta estas orientações, na unidade pastoral de Pinhel que tem o seu centro na paróquia de Pinhel, actualizamos o Plano de Orientações de 23 de maio de 2020 e que sofreu algumas pequenas adaptações ao longo do tempo, e que agora se actualiza do seguinte modo:

Celebrações

  1. Mantém-se a higienização e o uso de máscaras nas celebrações de culto, mas, aos poucos, podem-se moderar os distanciamentos e aumentar a lotação das igrejas, sendo da responsabilidade pessoal o distanciamento de segurança.
  2. Para facilitar a percepção auditiva, os sacerdotes e demais ministros poderão retirar a máscara para a proclamação da Palavra, desde que salvaguardadas as distâncias com as pessoas colocadas em frente deles.
  3. A recolha das ofertas nas celebrações poderá passar a fazer-se pelos ministros do acolhimento no momento próprio, o ofertório.
  4. No acto da distribuição da comunhão, volta-se ao diálogo próprio entre os ministros e os comungantes (“Corpo de Cristo: amén”) e os comungantes poderão deslocar-se, como se fazia habitualmente, desde que se respeitem as devidas distâncias e as comunidades se sintam em segurança para o fazer.
  5. As pias de água benta, junto à entrada das igrejas, deverão continuar vazias.
  6. Para o sacramento de penitência, mantém-se a possibilidade da reconciliação individual com os devidos cuidados de segurança, distanciamento e uso de máscara.
  7. Podem e devem-se retomar as visitas aos enfermos e a distribuição da comunhão a estes.

Sacramentais

  1. Podem-se realizar velórios, de acordo com as normas das autoridades locais, respeitando as habituais regras de etiqueta e de saúde, distanciamentos e lotação, procurando encurtar os tempos de velório.
  2. Passa a ser possível a realização de celebrações eucarísticas de corpo presente, assim como celebrações da Palavra, com as mesmas regras que as outras celebrações litúrgicas.
  3. Sempre que se conseguir assegurar os cuidados necessários, tais como o uso de máscara e os distanciamentos, evitando aglomerações e um cortejo compacto, será possível realizar cortejos fúnebres.
  4. É possível realizar romagens aos cemitérios, desde que asseguradas as condições referidas no número anterior; nos casos em que se preveja atempadamente ser difícil assegurar essas condições ou as condições ideais para a celebração eucarística, faça-se a romagem, sem cortejo, em horário próprio.

Procissões

  1. Segundo indicações superiores explícitas do bispo da diocese da Guarda, mesmo tendo em conta orientações de outras autoridades, “onde for possível disciplinar as pessoas para respeitarem regras de distanciamento e compostura, de tal maneira que não vão de forma compacta e desordenada”, podem fazer-se; quando isso não for possível, não se devem fazer.

Catequese

  1. Mantêm-se os cuidados e orientações do Plano de Orientações de 19 de setembro de 2020, embora se privilegiem as sessões presenciais e semanais.
  2. De acordo com indicações da DGS, que refere que até para as crianças do 1.º ciclo do ensino básico, a utilização de mascara continua a ser recomendada, “uma vez que estas crianças não se encontram vacinadas”, excepto no recreio ao ar livre, mantém-se a obrigatoriedade do uso da máscara e da higienização das mãos no centro pastoral de Pinhel; os casos excepcionais serão da responsabilidade de cada catequista.

Outros eventos e actividades

  1. Devem seguir-se as orientações das competentes autoridades para eventos e actividades, tal como refere a CEP.

NOTA: no restante, mantém-se o que estava previsto até ao momento.