2020: mais de 340 milhões de cristãos “fortemente perseguidos” no mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Todos os dias, 13 cristãos morrem por causa da sua fé, 12 são detidos injustamente e 5 são sequestrados. O número de cristãos perseguidos em todo o mundo aumentou de 260 milhões, em 2019, para mais de 340 milhões em 2020, confirmando a tendência de crescimento dos últimos anos, a qual foi acentuada pela pandemia de coronavírus, revela o relatório da ONG Open Doors (Portas Abertas), divulgado no dia 13 de janeiro.

De acordo com a “Lista Mundial da Perseguição 2021”, além do número de cristãos “fortemente perseguidos”, também o número de cristãos assassinados cresceu 60% em relação ao ano anterior, passando de 2.983 para 4.761. No total, “74 países (mais um do que em 2019) revelaram níveis extremos, muito altos ou altos de perseguição, a qual afeta um em cada oito cristãos em todo o mundo”, pode ler-se no relatório.

O estudo mostra que “a covid-19 foi um catalisador da repressão das minorias cristãs, às quais, em países como o Bangladesh, a Índia e o Paquistão, assim como o Iémen e o Sudão, foi muitas vezes negada ajuda”. Na Somália, um grupo islamista “culpou os cristãos pelo coronavírus”, e, no Sri Lanka, “o coronavírus foi um pretexto para a polícia entrar nas casas dos cristãos e investigar os membros e atividades da Igreja”, revela a organização internacional, que há mais de 60 anos presta auxílio aos cristãos perseguidos.

Com a Coreia do Norte a encabeçar a lista pelo vigésimo ano consecutivo, a principal novidade no “top 10” foi a entrada da Nigéria para o 9º0 lugar. Já o Iraque subiu do 15º para o 11º posto, devido à “permanente insegurança” dos cristãos que regressam aos seus lares. Quanto à China, está, pela primeira vez na última década, entre os 20 primeiros da lista de países com o nível de perseguição mais alto. O relatório destaca ainda a subida da Turquia da 36ª posição para a 25ª, devido principalmente a um aumento da violência. Devido à violência islamista em Cabo Delgado, também Moçambique figura este ano entre os 50 primeiros (na 45ª posição). Já a República Democrática do Congo, onde segundo a ONU foram assassinados mil civis desde 2019 pelo grupo islamista Forças Democráticas Aliadas (FDA), subiu de 57º para 40º.

in 7margens