Iniciativa das celebrações familiares chegou ao fim e Edições Salesianas fazem balanço

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

As Edições Salesianas fizeram um balanço das celebrações familiares que, juntamente com os párocos do Fundão e da unidade pastoral da Gardunha, o nosso pároco foi fazendo ao longo do período de confinamento sem celebrações comunitárias presenciais. Aqui fica a avaliação deste trabalho.

Na Semana Santa, as Edições Salesianas iniciaram a partilha semanal de um guião para a celebração familiar do Domingo, como dia do Senhor. Com o regresso da possibilidade da celebração da Eucaristia com a presença de fiéis, a equipa coordenadora deste projeto entendeu que o melhor seria suspender esta iniciativa.
Neste artigo, a par de uma avaliação deste trabalho, explicam as razões desta decisão.

As Celebrações Familiares Dominicais nasceram de um trabalho conjunto entre as Edições Salesianas e três sacerdotes da Diocese da Guarda. O Pe. Jorge Castela, atualmente na paróquia de Pinhel, foi um deles e explica como tudo começou.
Desde o início da quarentena, eu e dois colegas padres tínhamos iniciado o envio aos nossos paroquianos de propostas simples para uma celebração familiar. Quando surgiu das Edições Salesianas o convite para trabalharmos em conjunto, fez-nos todo o sentido”. Neste plural englobam-se o Pe. Rui Manique da Unidade Pastoral da Gardunha e o Pe. Hélder Tomás, da paróquia do Fundão. É este último quem acrescenta: “Todos os envolvidos sabiam da importância de ajudar as famílias a rezar em casa. A Conferência Episcopal, quando suspendeu as celebrações sublinhava isso mesmo. Mas a verdade é que algumas famílias poderiam ter alguma dificuldade em orientar a sua oração a partir da Sagrada Escritura, por isso era importante ajudá-las a fazê-lo”.

O Pe. Rui Manique reforça a mesma ideia, dizendo “Procuramos valorizar a igreja-doméstica propondo a cada semana uma vivência do Evangelho do Domingo. Ao entenderem a continuidade que existe entre os textos bíblicos, as famílias puderam viver o tempo pascal de uma forma diferente”.
Do lado das Edições Salesianas foi a Claudine Pinheiro quem acompanhou este projeto. “Foi um trabalho de equipa muito bonito. Procuramos que as celebrações tivessem uma linguagem simples juvenil e laical, mas profunda. Por um lado para que as crianças pudessem participar, por outro para que as famílias menos habituadas a rezar em conjunto, conseguissem orientar as celebrações sem dificuldade”.
Os guiões foram divulgados através dos canais de comunicação da editora dos salesianos em Portugal e das paróquias envolvidas: sites, boletins paroquias, rádios locais, whatsapp, facebook e mailing lists. “É impossível ter uma noção exata do número de pessoas a que estes guiões chegaram. Sabemos que a média de acessos ultrapassa a seis centenas por semana, mas os guiões eram reencaminhados para outras famílias, grupos e páginas de facebook”, explica Claudine Pinheiro.
Sobre o feed-back que recebia semanalmente, o Pe. Jorge Castela diz que “era excelente. Alguns paroquianos diziam ser uma oportunidade para rezarem em família como nunca tinham feito, outros valorizavam os gestos propostos porque os ajudava a fazer a ponte entre o Evangelho e a vida”. O Pe. Hélder reconhece a recetividades das propostas na sua comunidade mas reforça que “a nossa missão, enquanto sacerdotes e enquanto editora católica é semear. Deus se encarregará de cuidar e fazer frutificar.”
Com o regresso à possibilidade de se celebrar na presença de fiéis, a equipa entendeu que seria melhor suspender a elaboração dos guiões. “Esta caminhada coincidiu com o tempo pascal e o ciclo acaba por ficar completo”, adianta o Pe. Rui Manique. “Apesar de ser um dos recursos mais valorizados na newsletter semanal de propostas pastorais, entendemos que as sementes estavam lançadas e que será preferível focarmo-nos na produção de outro tipo de subsídios”, explica o membro da equipa das Edições Salesianas, “ainda que tenhamos consciência de que nem todas as pessoas regressarão já à celebração física nas suas comunidades”, remata o pároco de Pinhel.

in Edições Salesianas